quarta-feira, novembro 14, 2018

ontem, o "dia Samuel'.
primeiro o gerente ou caixa que abre contas não sei exatamente o nome da função dele, bonachão simpático cabelos brancos grande. demoramos um tempão, ele olhando a tela, eu até curiosa do que ele estava olhando e lendo às vezes verbetes do dicionário de filmes do george sadoul que eu estava levando pra dar de presente pra marta e acabei não levando. vontade de ver rever todos os filmes que ele cita, de um filme do Chris Maker sobre maio de 68 na França Joli Mai acho, um filme encomendado pela fundação rockfeller e que foi proibido depois, com imagens de cubanos entrando numa casa com agua encanada pela primeira vez depois da revoluçao  imagens da venezuela filmes russos godard jacques rivette viajei nas imagens e temas uma delicia.
muitas folhas de papel impressas assinaturas e rubricas ele levantou duas vezes queria ajudar afinal porque ele era um pouco gordo mas acho que ele não estava cansado não quando sai me toquei de que não tinha deixado o depósito inicial mas já estava no ponto de ônibus desisti fui andando direção camelódromo função comprar carregador acabei comprando numa barraquinha no largo da carioca, made in hecho en china, o dono atendente também se chamava Samuel Emanuel Manuel será que Manuel também é bíblico ?
em casa à noite mil confusões para acessar qualquer forma de comunicação saudade de caderno de telefones atualizar o meu velhinho com capa do matisse da Travessa de trocentos anos atrás quando eu babava por todas aquelas cadernetas e lembranças de museus e livros e tudo e me sentia meio impotente
mas então
quando consegui entrar no face tinha um samuel querendo ser meu "amigo" virtual
aceitei

"Samuel 

Seguir o caminho do Louvor implica em ser um bom ouvinte antes de se tornar um bom orador. 

O nome masculino Samuel pode significar tanto ‘nome de Deus‘ quanto ‘pedido a Deus‘. Outra interpretação aceita é ‘Deus ouve‘, ressaltando ideais de alguém comunicativo e bondoso, que saberá como agir segundo os preceitos da Palavra. Então o Senhor chamou Samuel. Samuel respondeu: ‘Estou aqui’ 1Sm 3:4 
Samuel advém do hebraico Shemu’el, cuja composição se dá pela união de shem, que quer dizer “nome”, e El, cuja acepção é “Deus”. Algumas fontes também relacionam a origem a Shamu´el, onde a segunda parte do nome é igual, mas a primeira, shama, entende-se por “ouvir”. O nome inglês Samantha, seu correspondente feminino, passou a ser usado em outros idiomas, como alemão, espanhol e o próprio português, língua em que a grafia também aparece como Samanta. No italiano se usa Samuela para as mulheres. 
O filho de Ana e Elcana pode ser considerado o último dos juízes ou o primeiro dos profetas, tendo oportunidade de observar uma larga transição de períodos na história judaica nos fins do século XI a.C. Foi um homem de grande carisma que exercia natural liderança, sendo reconhecido como exímio porta-voz do Senhor (1Sm 3:19-20). Sua mãe, que era estéril, pediu a Deus um filho e como promessa disse que dedicaria a criança a Seu serviço e foi assim que se sucedeu (1Sm 1:11). Samuel viveu sua infância em Siló, sob os cuidados do sacerdote Eli e quando estava entrando na idade adulta, o Pai lhe chamou durante a noite para lhe entregar a profecia de que outra família sacerdotal assumiria o sacerdócio daquela cidade. Ele também foi responsável por ungir o rei Saul e o rei Davi (1Sm 16:12). Há um segundo personagem com este nome, é o filho de Amiúde, da tribo de Simeão (Nm 34:20). Duas obras inseridas nas Escrituras Sagradas carregam o nome do profeta, o primeiro e o segundo livro de Samuel, que antigamente eram um só volume. Ele é diretamente mencionado em mais de cento e vinte passagens bíblicas, predominantemente no livro homônimo, localizado no Antigo Testamento.

( https://www.nomesbiblicos.com/samuel/ )

 

domingo, abril 01, 2018











ha dois dias passando flanando indo a lugares fechados ou chegando antes ou andando muito sempre andando muito e ficando cansados e pego muito sol é bom just it andar e falar e encontrar sempre alguém que puxa um papo como o senhor do bar que trabalhou na marina e que mora em niteroi e que veio andar no rio ou talvez veio tomar uma cervejinha longe de olhares alheios e nao fomos na rua do ouvidor no sabado e sim hoje quando nao tinha samba nem pessoas e fui uma guia das ruas internas e vaias e das descidas por escadarias e ontem depois de descer santa até o lgo do machado pela escadaria do cosme velho e alias de darmos a volta à toa no quarteirao para comer uma esfiha com mate classico de qualquer dia por ali mas ele nao lembrou ou nao entendeu o que era mate à principio e depois reconheceu e lembrei do aterro e andamos muito e muito e muito e fomos dar num final da marina e eu achando que chegariamos no mam e encontramos um moço que era de uma cidade perto da chapada onde o simon esteve - simon com acento no o, ele me disse -  nao lembro o nome agora os nomes tao bonitos como palmeiras e ...e hoje desistimos de ficar na fila do municipal também demos a volta ingenuamente no quarteirao e simon nao quis esperar e fomos ver a expo de arte africana no ccbb mas ja tinha acabado embora a mulher da bilheteria houvesse informado que o ingresso era so para a expo do quarto andar mas eu odeio a exposiçao do quarto andar e so dentro do elevador que a ascensorista disse que a expo ja havia acabado e foi quando fomos beber uma stela e ontem foram duas serramalte e também fomos à bhering mas acabamos nao experimentando roupa nem ido à gentil porque ja estavamos muito cansados e subimos a rua sara e andamos na fabrica um pouco e ttroquei os quadros e na gamboa ate a rua camerino e voltamos ate a praça tiradentes antes passando pela pre gentil onde haviam camelos à espera lixo e a porta entreaberta, alem de dois jovens entretidos com algum equipamento de som talvez. e comemos macheroni e foi gostoso embora eu tenha me perdido ou saido do transe algumas vezes, além da dificuldade em... e hoje fumar no caminho foi fantastico e a caminhada ate o museu do amanha e morro da conceiçao o chato foi a volta inteira pela rio branco talvez a descida pela pedra do sal seja mais curta nao sei.

quarta-feira, março 14, 2018


tenho varias fotos voltando adorando essas comidas de anais frutas com limao chas outro dia vi quinua ou é quinoa nao lembro e comi um pouquinho com passas e ela estuda musica como linguagem para entender as culturas e eu acho a comida uma super linguagem. e saborosa. e uma conexao também. e irritada com tudo porque desconectada apesar. e fazer mais paes. nao gostando das tintas nem das cores. e nao sei.

.

sábado, março 10, 2018

voltando...


li uma mensagem recebi tao bonitinha elogiando o blog que esta tao abandonado que demorei à entender e falava de uma coletanea de arte e depois sumiu essa mensagem porque queria responder e ler com calma nao acho mais. sera possivel isso? dois gatos na cama fred aqui ao lado, nina no chao carlota na porta e tudo tranquilo (quando carlota resolve nao encher). frio e estamos em março, aqui virou uma caverninha protegidinha. minha barriga inchada como sempre. ontem visoes de vestidos tecidos. realizar nunca foi o meu forte, sempre paraliso nessa hora sempre sempre demorei à perceber isso -  as coisas que chegam até um lugar somente e ali ficam mas nao entendo mesmo assim. ontem sobrou trinta reais e isso me deixou contente como se fossem milhoes. comprar ovos e peixe no sendas pros gatos sendas nao existe mais é extra, supermercado feio e mal desenhado e os peixes na esteira ... quando sentei no onibus o cara sentado ao lado enorme olhava mulheres no tinder, parecia. outro mercado. pensei em paes para os que estao na rua...mas como

domingo, agosto 13, 2017

hoje o dia mais desconectado do mundo dos tempos mundanos. yann tiersenn só o piano e isso me re liga. é estranho uma coisa desaparecer virtualmente. ter um tempo de vida é contrário à virtual. penso com meus botões. e hoje só comi queijo e leite de aveia com chocolate. e m. discutindo comigo sobre o leite de aveia. muito mandona. sensação ruim. e terminei a barra de chcolate. não comprar mais. ??? pelo menos algumas fotos foram boas de ver. porque sempre esqueço sistematicamente de que sair de casa é ruim. não sair nunca mais. o problema são os gatos e os víveres que ando sem saco aliás. o livro da porcelana será que é bom? passar numa livraria para paquerar.

segunda-feira, maio 22, 2017

um tempo feio chuvoso portas batendo resolvo não sair apesar da voz interior dizendo que há coisas para serem feitas na rua,  rapidamente descarto a emergência delas passando para outro dia qualquer e fico meio perdida entre a talvez constatação de que tenho uma tendência `a irresponsabilidade e ao far-niente e vejo as expressões de censura dos outros ou de tensão ou a minha própria tensão ansiosa e esse é que é o grande nó da questão a ansiedade. começo `a arrumar as estantes ou melhor continuo uma arrumação que já foi começada arrumar faz bem `a cabeça e acalma. o problema é o próximo passo. relax não se cobre. depois vc pode fazer pelo menos os pães sem gluten, e hoje `a noite os integrais. falar com a camila?. e fazer um de abobrinha de novo. porque a ensação de tudo ruim? e de cobrança perpetua...

terça-feira, dezembro 20, 2016

o problema são as coisas `a fazer e ao mesmo tempo fazendo mil começos os colares! as bolsas (...) a saia  que já tem molde e o vestido sem, que ainda estão na fila. acho que vai ser prazeroso tirar o molde desse vestido, comprar mais papel manteiga. de repente acalmei e as estórias todas sumiram de como acordei meio mal humorada olhando o tudo e quando achei que sim podia acordar e levantar e tomei o limão e fiz o café na cafeteira italiana mas percebi que gosto mais da outra forma e o pão levain estava gostoso mas tinham mil coisas sobre a pia para resolver e lá fora também estava um caos e Sybil tinha dormido na casa da...  e me liga o Itau e nem consigo pensar deveria ter desligado mas resolvi atender meio zonza e concordei com o cara que ligou na segunda vez insistindo mas obvio que não vou aceitar e o cara da casa da renata que não liga e estou aqui meio esperando e fui mexendo as coisas e mezzo arrumando nicolau chegou todo machucado dei uma limpada meio rápida e coloquei povidine olhar de novo depois com calma se ele ficar está dormindo no quintal agora e sinto uma pressão de que tenho que resolver e não consigo isso me dá uma angústia vejo minha expressão no espelho não não estou feliz resolvo fumar um mesmo porque não? afinal foi para isso que comprei então pare com a censura controle e me acho uma gracinha agora lembrando do lc dizendo que eu sou lindinha e demorei `a reagir e so agora que comecei `a curtir mas ainda um rabicho com rei que gosto como imagem mas no dia a dia é quase insuportável de tanta cobrança e "dureza" no ponto de vista ou será que sou eu (também). espelhos.  sei lá, mil coisas. hoje o mundo pareceu muito grande e vasto e azul e eu fiquei meio sem saber o que fazer ou não, pensando que na verdade as coisas não estavam tão "fáceis" assim ou melhores, apesar de estarem um pouquinho sim mas a euforia me dá um mal humor depois e foi isso porque na outra madrugada acordei e me banhei com a luz que vinha da janela ( será que é a do poste também, somada `a lua - tira todo o romantismo da cena) enfim, estava me banhando em possibilidades por causa das visualizações mas ontem não rolou porque vários desejos foram aparecendo e fiquei na dúvida com a questão da casa se visualizo a casa como fazendo parte do todo o que é meu desejo mas ao mesmo tempo sem saber porque não sei o que se passa na cabeça de. naõ terminei nada. e ao mesmo tempo as coisas vão se encaixando embora seja um encaixe provisório.ontem fiz yoga será que tento fazer agora sim. e a compra da carne me irritou muito porque achei que não deveria ter comprado logo no instante seguinte e os gatos não curtiram esnobaram estranhamente e eu me culpei por ter gasto um dinheiro inutilmente. pobreza. embora eu esteja com uns 300 reais mas isso me assusta porque tenho que gastar. essa economia é que é chata esse segurar o dinheiro na hora de gastar bad vibrations... relax baby yoga.

domingo, dezembro 04, 2016

hoje acordei frhsbdss. tomei o café mamão delicioso o pão que fiz fui arrumando a casa que nem um furacão lavei o banheiro a cozinha passei aspirador de pó na casa quase toda... depois cortei o cabelo que estava muito sem graça. desanimei total. ainda tinham muitas roupas para guardar e separar e etc. (aos poucos o gaveteiro está ficando arrumado como nunca esteve, o que é incrível). não ia sair não, ia pra cama ler, qualquer cosa assim mas Laura ligou dizendo que tinha que pegar as coisas no carro e lá fui eu. depois comi uma quiche de alho poró e um mil folhas meio enjoativo com doce de leite embora não pudesse gastar nenhum centavo. a net ligou milhares de vezes mas eu nunca atendia porque achava que era do itau e agora resolvi atender hahaha. voltei `a pé subindo por uma enorme escadaria que começa na rua alice e passa dentro da comunidade chegando no meio da julio otoni. acho que quase ninguém passa por ali, `a não ser os próprios moradores. as pernas agradecem. as 9 e meia já estava muito cansada e me deixei dormir, embora sempre ache que tem coisas `a fazer.

números

tenho 3 escovas de dente e uma geladeira vazia, um pouco do repolho da horta que estava com uma parte ruim, tomates e cebolas, iogurte, farinhas, 5 gatos, as vezes 6 ou 7, alguns móveis deteriorados, bolsas penduradas na maçaneta da porta - que ursula disse que não gosta - quadros espalhados pela casa. o livro que comprei em buenos aires caído no chão, custou mais de 400 pesos e embora no começo eu tenha ficado quase que extasiada com a forma diario depois me desinteressei. logo logo de cara ele diz que para ser diário tem que ter a data e eu nunca coloco nunca coloquei data no que escrevo. e também não assino meus quadros deve ser mais uma questão. chico faz massagem na cama o que descobri depois que chamam de amassando pão, muito sério e compenetrado, cada vez mais bonito cada vez mais mini-tigre. eles devem ter sido cobra antes, como ontem quando fred virava para lá e para cá e se arrastava pelo chão e devem ter sido mico também antes. a janela fechada depois do temporal inesperado de ontem, durante a madrugada quis abrir mas sei que o barulho incomoda a ursula e não o fiz. escrevi de forma comportada - não o fiz.  na próxima vez- será que existe, será que vai haver - na próxima vez quero ser gato, com esses olhos incríveis. Laura também tem olhos incríveis. gosto de ver as folhas se mexendo lá fora. em buenos aires sempre olhava pra varandinha para ver como estava o mundo lá fora, quando acordava - era como um respiro. ontem fiquei com marcas de sol, as alças largas do vestido. a feira me deixou deprimida, as pessoas pechinchando pechinchando como se fosse a salvação da vida delas, a felicidade possível. uma pequena vitória. agora que as árvores se mexem muito fico na dúvida se abro a janela ou não apesar do edredon estar quente. mando um beijo pro chico lindamente instalado na cama e seus olhos se fecham em slow motion, gatos se comunicam afetivamente com os olhos, são seus beijos. ontem vi um filme sobre os romanov mas não tive coragem - ou vontade - de ver até o fim, que já sei. e depois um filminho sobre rasputin. fase russa, inspirada pelo livro dos 3 imperadores. o computador com o som baixinho baixinho mas não gosto de usar fones, me isola muito do resto da casa esse navio enorme que `as vezes parece que afunda. falta de hábito. falta de hábito de tudo e esses zaps e ubers me enchem. ivana não reponde e acho que foi porque não emprestei a massaa e depois penso que não não pode ser por isso. tudo conectado nada leva ao fim ou ao começo nada leva `a nada. nina se mudou para o movelzinho mais alto. dormem cada um num canto. estamos no começo de dezembro e não parece começo de dezembro.

quinta-feira, setembro 15, 2016

sufoco sem conseguir acesso `a página em branco relendo o post anterior meio raivoso por isso que passei mal também e ouvindo oud que achei que fosse igual ao alaúde embora da mesma família. cheguei em casa e vim pra meu refúgio. não consigo ficar muito crise de choro. precisando de um caderno, que achei mas agora não sei onde. sem querer joguei fora uma postagem penso um monte de coisas mas quando chego aqui tudo some e só escrevo nadas repetições. achar a fita crepe mais óculos todos iguais talvez uns três ou quatro hoje peguei a sacola de sapatos mas desisti no meio do caminho. persistências ou talvez haja muitas coisas afinal e eu que nunca juntei afinal.

domingo, julho 17, 2016

minhas unhas horríveis o que sempre me acompanhou desde criança as unhas machucadas quando algo não vai bem hoje bati o dedo não sei como fechando a porta do carro do messias que tão gentilmente me deu carona  e ela fica presente, falando, as dos pés também terríveis, fazer algo. j. não veio o que seria bom para me ajudar `a  empurrar o móvel. tb não respondi e depois o cel ficou esquecido. bem, relax babe, hoje no encontro tentamos nos manter calmos, embora minha barriga tenha ficado pressionada o tempo todo, sob crontrôle. não sei o que acontecerá próximos passos. só sei que no começo ele estava bem mais sorridente e relaxado e depois começou `a ficar muito resmungão criticando tudo tipo dono da verdade sufoca. e eu querendo uma fantasia, vivendo nas nuvens, não, desce daí, não está vendo como a realidade é crua como disse sua terapeuta.por outro lado me libertei aquele dia - na terça, depois de ter mandado a mensagem prá ele- e ele super orglhoso, hoje na foto ele me lembrou muito o papai no gesto e no sorriso -. e hoje pra mim eu já havia desistido achando que seria bom um intervalo.  desistindo ao mesmo tempo não.

sexta-feira, julho 15, 2016

muitas coisas vou fazendo olho a horta que ainda está meio mal ajambrada palavra ótima como uma roupa meio amassada árabe talvez e a estante que vai pra varanda também e os livros que estão lá soltos o quarto um caos com as coisas que vieram do outro e ainda estão perdidas sem lugar que vai aparecer aos poucos o fumo de rolo no atelier as roupas no varal desmontá-lo algum gato jogou os marcadores de página que coleciono no chão a síndica reclama das janelas lá fora por causa da festa junina e o entulho... ela não reclama mas penso eu e pela escada/ quintal também as coisas suspensas vão num ritmo encadeado e lento e  a estante tem que sar do corredor trocar de lugar com o pé-palito que gosto mas que secou e sumiu e o móvel do atelier tb sair e tenho que fazer tudo isso fred tentou me acordar de manhã várias vezes irritado mas eu não tinha como demorei muitas horas pra dormir pensando pensando e também um momento excitada e com pensamentos libidinosos e provavelmente o fumo também ajudou `a alterar o meu ritmo e tive um dia que acordei 7e outro 7 e meia e oito e quarenta e no dia da acupuntura que acordei no sofá noites mal dormidas onde tudo acontece a confusão dos lençóis e gatos e calores e frios e a sala opcional mas que nesse dia foi estranho e o despertador ficou ao lado da cama então não escutei e acordei 8 e quarenta e sete e tinha que estar lá `as nove? não sabia direito a hora que bom quando cheguei quinze pras dez descobri que era nove e meia e ainda vomitei na rua fiquei com vergonha da mulher que estava perto e fiquei distante. e não podia nem jogar uma água deveriam haver bicas em pontos da rua pelo menos aqui em santa e o pão de inhame que cresceu demais ontem e transbordou pela forma e preciso de mais formas ficou uma delícia e leve e lembrou o de abobrinha do restaurante do papai e tentar faze-lo como esse e era tão simpático e tudo tão confuso e papai tão confuso como gostaria de ter podido ajudá-lo mas não conseguia e só conseguia criticá-lo e não amá-lo por causa de toda a distância que houve nas nossas vidas pena pena pena penso nele agora e o amo e será que uma projeção dele ainda deve estar em alguma dimensão por aí e poderia sentir isso e também mamãe meus pais tão perdidos e tristes e que só conheci um pouco.

quinta-feira, julho 14, 2016

aprendendo a amar enlouquecida com brechós e gastando um dinheiro que não é meu ou é mas eu deveria usar seriamente enfim, nao foram tantas assim mas como eu não sei mais o valor das coisas com tudo me assusto e vivendo momentos malucos  e espalhados estou no ar vivendo num vento escutando uma demonstração de forros que são deliciosos pra viver o que nunca vivi mas que cansam porque nao são para escutar e sim movimentos e o coco outro dia que amei enfim expressão que não deve ser usada enfim nada

quinta-feira, março 31, 2016

hoje eu melhorei quando finalmente desisti de tentar melhorar porque isso cria uma pressão que só aumenta a pressão já existente de insatisfação com tudo e de não ver saída em lugar nenhum. não saí- a primeira idéia pra melhorar era dar uma andada, que realmente dá um alívio `as vezes mas hoje eu só me via arrastando minha insatisfação pela caminhada, ela me acompanhando e eu tentando me livrar dela. não fui na terapia pelo mesmo motivo. levei o laptop pra cama e fiquei lendo posts e etc, um tempo grande e depois resolvi vir pra sala escrever mas só continuei lendo artigos e artigos e nada de redentor aconteceu mas a pressão interna diminuiu. só isso. e também que bom que amanhã será o último dia do banheiro nojento e etc.

segunda-feira, março 21, 2016

escuto caetano e chico aquele disco ao vivo onde os aplausos de êxtase em qualquer palavra proibida mais ousada e escutava tanto quando criança adolescente  e vejo o calabar meu primeiro livro roubado acho que dei pra ursula de aniversario e hoje fiquei pensando em tudo o que eu ia fazer se ganhasse na megasena hahaha e por isso fiquei feliz depois de passar o fim de semana comendo pão que eu mesma amassei e feijão mas hoje achei os cem reais que eu tinha guardado na gaveta e que depois não estava mais lá e nunca dá certo isso comigo e por isso não saí de casa esses dias e antes escutando o sacramento tão fofo falando de tudo menino sabido e partilhei emocionada...

domingo, fevereiro 14, 2016

outro título
um quarto para chamar de seu
(VW)

mais quartos


 Alice Neel,
 Matisse
 Alice Neel
Matisse

mamma andersson, adoro! (aqui em casa está pior...)


dois picassos e uma suzanne valladon




escrevendo projeto...

O quarto (ou a prisioneira)


...O quarto o que posso dizer sobre o quarto em que passo a maior parte dos meus dias com sua cama aconchegante mas meio acampada de frente para um quadro meu a cômoda que quase fala o armário com seus pés palitos a escrivaninha que era do Pedro onde sinto que tenho um canto para me refugiar do mundo...
 um desenvolvimento em torno do espaço pictórico do quarto, os móveis e seus significados afetivo-simbólicos na nossa vida e no nosso cotidiano. Esse o tema. 
Porquê o quarto? Primeiro, um desenvolvimento do meu primeiro "assunto", as cadeiras  (principalmente), com algumas séries feitas . Depois por uma experiência pessoal de me sentir quase ilhada dentro do meu quarto. prisioneira. E, finalmente, o quarto se traduz em uma pesquisa em torno dos vários espaços na pintura, em telas de tamanhos variados.

pesquisar o quarto na história da arte, além do quarto de Van Gogh, obviamente.


sábado, fevereiro 13, 2016

ontem mais feliz fiquei quando achei que afinal tinha algum sentido, quando voltei `a fazer contas mas não de forma geral e sim ligando `as datas em que entraram os dinheiros  deu um sentido um pouco maior embora eu tenha tentado disfarçar um pouco mas hoje sem energia nenhuma para nada tudo aos solavancos embora tenha dado uma arrumada na casa da renata e ido procurar lelê na horta e voltado duas vezes na casa e subido essa minha escada que realmente é broca umas cinco vezes e dado uma olhada nos verbetes cansativos amanhã mais e arrumar mais hoje só o banheiro e uma varrida que ainda está esperando ser recolhida e aqui no quarto muitos mosquitos não sei porquê hamlet pesado tudo pesado. simpáticos búlgaros.

quarta-feira, fevereiro 03, 2016


elço berra jesus ai como estou feliz olho pra ele com olhar de censura se toca você não está na sua casa  mas só falo elço o meu paninho que nunca usei jogado embolado sujo de café coloco num balde com água torço o pintor fala lá de cima aí galera do não sei onde olha onde estou ontem um sapinho cinza no banheiro e um pretinho antes de ontem ou era o mesmo? veio comer os mosquitos, talvez vi ele se afastando lentamente sempre que ia ao banheiro e ele estava em outra posição em outro pedaço e as aranhas que crescem e se alargam expandem seus domínios e gosto de vê-las subindo e descendo e mexendo todas aquelas várias patas e agora tem uma outra no outro canto ou outro e seu jair mostou um lugar dizendo que eram filhinhos tenho que pedir gentilmente que elas saiam mas não sei como fred resolveu ficar silencioso e está aqui grandão meio virado pra cima o rosto redondo e ia sair  passar a tarde em outro lugar mas com ele assim fofo não consegui ainda as cascas da banana que se desmontaram em pedacinhos e as contas que tento fazer tentando entender onde foram parar os dinheiros que entraram e saíram rapidamente

quarta-feira, janeiro 27, 2016

barriga tão inchada e pesada lógico que o almoço de hoje contribuiu duas mini-pizzas na veronese mas não posso não passar lá quando vou `a praia, uma praia de uma hora só ou menos mas tão boa tão boa um ventinho não muito cheia andei até o arpoador e sentei muitas gaivotas foram chegando no céu em cima pensava que era pra falar oi comigo como se eu fosse o centro do mundo e não caí no mar não não deu tempo de aproveitar tudo olhar ouvir e comi biscoito globo o vendedor puxou papo hoje está ventando e eu falei que estava adorando que não vinha `a muito tempo e ele repetiu não vem `a muito tempo? eu disse que tinha preguiça e que não gostava de praia cheia que me assustava e ele concordou era simpático e depois veio um vendedor de caipirinhas segurando uma bandeja com drinks decorados e bonitos e elogiei e ele perguntou se ele também era bonito e riu e do lado meninas falavam de blocos e de beijos e depois deitei um pouco e fechei os olhos e estava maravilhoso mas tinha que encontrar a rita até uma hora e já eram quinze para e saí andando apressadamente. depois o banco deu certo e veronese e um mercadinho rápido comprei dois mamões e duas ameixas e fósforos e rúcula orgânica e metrô com duas gringas gordinhas que sentaram nos lugares especiais e o coroa e depois largo do machado e 133 e bom e barato subi `a pé depois um sol cheguei exausta elço terminando de subir com os sacos de areia e o emboço fui na casa da renata fumar marilene agora só quer patê e a outra gata foge quando a vê  nicolau virou habitué eles gostam de se encontrar e reguei os manacás de lá e tenho que regar os daqui e ainda não fui na horta poderia ir agora talvez nina dorme em cima da janela fica tão feliz quando me vê se encostando nas paredes dando voltas uma dor de cabeça leve não sei o que faço e ontem desanimei tanto o óculos quebrou e cheio de mosquitinhos na casa toda consegui arrumar mais um pouquinho e preciso pensar como farei o resto

quarta-feira, janeiro 20, 2016


e ontem fui dar comida pra marilene gata da renata que viajou e quem estava lá íntimo sr. nicolau os dois num certo clima de cumplicidade a casa só pra eles...
na verdade eles deviam ter mais de um mês sim já haviam passado da fase embaixo da cama onde eram muito muito pequenos ido pro quintal num espisódio horrível e ficado um tempo lá lembro daquela cama que coloquei como fronteira porque chovia ou por causa dos gambás e que eles adoravam subir e descer e que foi apodrecendo aos poucos e na primeira noite dormi lá com eles coloquei um colchão grilada com os gambás e acordava toda hora com os barulhos porque eles eram muito pequenos e depois eles foram entrando de novo embora madalena continuasse lá fora sem me perdoar pela expulsão do quarto acho mas depois algo aconteceu fugiram todos pra casa do lucas e fui lá visitar algumas vezes mas eles nem se importavam e quando ela engravidou de nôvo rápidamente não tinha mais paciência prá eles e chico e nicolau voltaram prá casa nina não
madalena foi dada por um amigo que morava num apartamento pequeno e deixava a coitadinha na sala e não me lembro que tivesse área então ela ficou muito feliz quando veio prá cá e subia nas árvores e corria muito muito feliz com esse espaço todo e árvores e bichinhos e íamos na horta e ela lambia as gotas da rega nos matinhos e ficou amiga do fred que ficou um pouco com ciúmes também e íamos todos passear no campinho. não durou muito. problemas com a Sybil vários vai-e-volta pra casa do Lucas e uma estória triste e feliz e duas gravidezes e agora está vai-e-volta com outras casas. sempre a sybil, acho. coisas secretas acontecem `a noite enquanto durmo. mas quero que ela se sinta bem onde for embora ontem eu a tenha chamado quando voltei pra casa não `a via há uns três dias e ela respondeu estava ali naquele larguinho da casa 2 e 4 e 5 desceu o telhado andou pelo muro e veio comigo e dormiu enroladinha do meu lado uma parte da noite depois não `a vi mais surgiu sumiu e está aqui agora veio molhadinha de chuva na tarde mas não tem muito jeito não daqui `a alguns dias estará por lá de novo quando cansar daqui. e lá ela é a única gata tranquila e todos gostam dela. quase. nina morou um ano na casa do lucas e de repente resolveu morar aqui e está com os irmãos e brincando e trazendo lagartos lindos e coitados que eu adoro e outro dia ela comeu um era magrinha maria minhoca eu a chamava mas agora deu uma encorpadinha sutil e quando não tinha nem um mês e ainda morava aqui quase se enforcou na rede da varanda foi horrível acordar e ouvir o miado estranho e ela não ter ido comer com os outros e fui procurar e ela estava na beirada da varanda com a rede enrolada no seu pescoço e fiquei em pânico levantei-a estupidamente fui procurar uma faca e ela se soltou e já estava pronta para outra como se não houvesse acontecido nada mas quando eles eram filhotes eles não se importavam muito comigo não viviam no mundo deles de descobertas no quintal principalmente depois a sala

segunda-feira, janeiro 11, 2016



beth pergunta se eu tenho passeado e repondo brincando que não sei bem o que é essa a palavra. passeio até a horta, até algum mercado…até o apartamento do Rui, em busca de amêndoas andando do largo do machado até a casa pedro no centro rua do catete sempre movimentadíssima e comércios vários e o casario antigo maravilhoso que tem que ficar tudo e derrubar os novos feios que fazem hoje em dia e paro numa camelô de roupas e acabo comprando dois vestidos por 10,00 que acabam na sacola com roupas para lavar na casa da beth e depois entrei naquela igreja da lapa antiga mil setecentos e setenta alguma coisa é muito bonitinha minha única crítica sempre as críticas são as lâmpadas elétricas e paninhos…não me lembro como eram as igrejas que visitamos em paris e que me deixaram com essa mania e as de lá realmente eu ficava boquiaberta acreditando numa transcendência e demorei `a ser cativada pelas daqui brejeiras gosto agora de olhar os tetos azuis claros e os desenhos as estruturas côncavas de madeira quando existem e tudo o mais e comecei `a escrever por causa da beth e do passeio e atravessei a lapa logo depois de um ônibus de turismo vermelho parar na minha frente e aquelas pessoas passando por uma experiência totalmente diferente passo em frente `a escola de música e tem horrorosas latas de lixo nos dois lados da escada que falta de senso estético e histórico penso resolvo ir pela avenida que chamo de chile onde tem a catedral estranha catedral que tem um enorme estacionamento que deve render uma bela grana e depois tem um jardinzinho cercado com várias estátuas meio medievais em frente `aquela igreja neo-gótica mas embora curiosa sigo adiante praça tiradentes que realmente é simpática e os tapumes saíram da frente  da casa do artesanato restaurada ficou imponente e lembro daquela praça de paris- de novo! - que tem os 4 lados iguais  compro uma lâmpada led para tentar mais uma vez e agora incrivelmente não lembro se fui por fora sim acho que sim pela rua que ladeia o campo de santanna e casa pedro que sempre me dá uma sensação estranha ontem foi menos menos e manteiga na loja da alhambra onde quase não entra ninguém onde comprávamos pro gourmet ônibus apostando corrida com o da frente porque ele era o de oitenta centavos…e chego logo depois chegam rita e beth mostra a casa a obra elas meio desconcertadas com o caos daqui de baixo, acho, e correria correria mis procurando madeiras pregos telefones dinheiros no final do dia exausta e por isso hoje ainda não fiz quase nada fora uma lavada de louça e coar o leite de amêndoas…que acabo de temperar com gengibre canela noz moscada e açúcar mascavo e ficou delicioso.
sempre quis morar num palazzo italiano...

sábado, janeiro 02, 2016

genial porque nos anos 10 20 30 as pessoas viajavam pelo menos os americanos e europeus viajavam facilmente e iam estudar em paris depois férias nos alpes italianos suíça e voltavam aos estados unidos california  lembrei da entrevista daquele outro editor isso porque lia sobre o ferlinghetti que morou em Paris na California em Nova York e tudo era mais possível e mais solto e o outro editor editou em paris pound ou não lembro e teve também livros censurados uma outra parada enquanto aqui somos mais lentos e pesados talvez e ficamos aqui enraizados terminei o malamud que é mais interessante nos contos nesse romance bem anos 70 os casamentos e suas infidelidades e essas questões e ele nunca conta `a verdade para a mulher dele um egocentrismo muito grande enquanto ela se apagava outra época os homens bem egoístas e machistas no fundo e é bom mas cansei no final porque só se repetiam as cenas do casamento ruim e ele não fazia nada para reverter isso e não fez apesar dos acidentes sempre `a noite e etc. ele mentia `a ele mesmo e nunca teve coragem de assumir e isso me cansou. o ferlinghetti um prazer. e passei o dia lendo fiz um suflê e hambúrguer de inhame e um ovo agora `a noite e bananas amassadas com aveia no forno e biscoitos cream cracker com queijo minas e pão ando com uma preguiça incrível mas amanhã não tem e a panqueca deliciosa também acabou e carlota sempre `a noite muito carinhosa e carente e nina grunhiu pra ela e fred agora fica na cama e queria que ele fosse menos bolinha os outros soltos por aí vivendo a vida gato. e lelê reinando sozinha na casa do pierre ela merece coitada e o dia correu silencioso não sei porque correu não correu estava parado imóvel como o tempo levemente chuvoso e cinza.e dormi um pouco de tarde e .
13

         doce e diversa a cotovia
                    que canta no portão restante
e no entanto quantos
                                    animais ferozes
                                                        quantos malucos
      nos jardins civis
                                    Holderlin
                                                  na sua torre de pedra
ou na casa daquele carpinteiro gentil
                                                                  em Tubingen
                     ou então Rimbaud
                                                    com seu "pesadelo e lógica"
            sofisma de loucura
      Temos ainda os nossos mais recentes
                                                         que também fatalmente admitiram
que alguma conexão direta
                                               existe entre
                   a linguagem e a realidade
                                                                a palavra e o mundo
                             a qual se você
                                                    quer saber é um riso
                Eu também bebi e vi
                                                   a aranha
                                                                                ( Lawrence Ferlinghetti)

quarta-feira, dezembro 30, 2015

coloquei o bill evans no youtube está tocando há um tempão um álbum atrás do outro sem anúncios e leio o Bernard Malamud As Vidas de Dubin um homem que caminha muito e acabei de falar com o homem que caminha muito mas não comentei com ele. nicolau brinca alucinadamente com o pompom uma mariposa no banheiro deveria achar que está tudo bem talvez até esteja uma brisa pela janela...tomei uma sopa em que a batatadoce dominou e ainda sobrou muito, e um pedaço do pão esquisito que fiz. hoje minha caminhada foi descer para pegar um saco de lixo reciclável ao invés de pedir que me entregassem e foi muito melhor fui olhando todas as plantas e árvores e dois passarinhos que cruzaram inclusive um grande voando na minha direção e depois de conversar com seu arnoldo sobre os canos subi até aqui encontrei renata com um vestidão bonito e mais nada.

domingo, novembro 08, 2015


Carlota aparece reclama de tudo quer atenção o tempo todo fiz uma fornada de biscoitos e comi todos que vergonha sem nenhuma vergonha na hora. sempre como muitos biscoitos muitos muitos porque amo o crocante etc. `as vezes tenho a sensação de que não faço muita coisa fora cuidar dos desastres tipo ontem uma cachoeira no quarto ou gatos que precisam ser castrados ou fazer comida e lavar a louça trezentas vezes por dia, fora as roupas que tem que ser guardadas e que não suporto fazer e sempre penso que elas deviam se guardar sozinhas sem precisar de ajuda ou ir para a cesta de roupa suja enfim roupas inteligentes mas não são e vão ficando na poltrona velha... ou inventar alguma comida como hoje que resolvi voltar ao suflê que fazia tantos antes mas depois que o gambá jogou a batedeira no chão umas duas vezes as pás não encaixavam mais e Ursula me deu uma semana passada! e então voilá comprei leite tinha um milho no congelador...mas ficou sem gracinha e os legumes tb. `as vezes tenho preguiça de comer embora perca horas comprando e procurando. mas acabo fazendo pão e bolo e biscoitos e como bem apesar do tédio. enfim, futilidades cotidianas...























uma vez escrevi " o santos dumont é lindo" após ir pra São Paulo e tinha tirado muitas fotos que acho que não tenho mais, fotos da janela do banheiro de lá e que tinha uma vista espetacular, aquele pedacinho ali ainda guarda um ar meio jovem modernista. não sei porquê essa ditadura dos edifícios altos conseguiu se impor como"normal" se eles quebram justamente isso que é o mais lindo e gostoso e prazeiroso que é a vista, a sensação de espaço e de perspectiva que dá  quando você olha por uma janela e enxerga uma distância, vários planos se sucedendo, e não um bloco ou um paredão na sua frente, se impondo concretamente. sim, quem está no edifício alto tem o maior vistão, `as vezes. uma opção um pouco egoísta, sem nenhum pensamento urbanístico ou gentil com os outros. por isso, morar em casa ou naqueles edifícios pequenos que ainda resistem e que eu achava muito normal quando era adolescente. ah, mas resolve a questão da falta de espaço é uma resposta muito falsa porque a barra tinha tanto espaço `a ser construído mas optaram pelo adensamento embora houvesse muito espaço. enfim, sei lá. penso nos bairros da zona oeste - que eu quase não  conheço, aliás, mas sei que ainda se mora muito em casa com quintal e que pelo menos ainda não foram completamente assaltados pela idéia única de modernidade.